EX-MADAME 05



CAPÍTULO 05

A SÓSIA
Kátia passou seis meses presa por distribuir dinheiro falso para eleitores na época da campanha política. Ela teve o mandato de vereadora cassado e gastou tudo o que tinha com advogados, e por isso saiu da cadeia em pouco tempo, podendo responder o crime em liberdade:
-A pena de prisão para quem é preso por falsificar, fabricar ou alterar dinheiro é de três a doze anos de prisão e multa, mas como eu sou rica, paguei bons advogados para que me livrassem dessa cela imunda e pude sair em seis meses. - Disse Kátia ainda na cela, arrumando suas coisas para ganhar a liberdade.
Ela passou por uma carcereira e esta disse:
-Tchau madame, até a outra temporada!
-Não haverá outra temporada, querida. Ah, obrigada pelos momentos em que me ajudou. Espero ter recompensado você muito bem.
-Recompensou sim madame!
-Lembro-me do dia em que a Chica quis me esfaquear e você a levou para a solitária e a espancou. Depois eu fui ver o estado da pobre coitada e a cuspi várias vezes.
-Mas a quantia que você me deu foi mais que o suficiente para pagar esse servicinho sujo. (Risos)
Os portões foram abertos, e a mulher ficou perplexa por não ver ninguém a esperando:
-Caramba, achei que ia encontrar um jatinho me esperando!
Ela então pegou um ônibus e foi embora. Ao chegar à mansão, viu que a casa estava interditada para hipoteca:
-De novo? Mais uma vez tive uma casa hipotecada! Que azar!
Ela então foi para o antigo apartamento em que morou na última vez que ficou pobre. Ao chegar lá, o porteiro logo a reconheceu:
-Dona Kátia, a senhora por aqui? - Perguntou o porteiro.
-Olá seu Gonçalo, tudo bem?
-Tudo péssimo. Prefiro comer cocô do que olhar para a sua cara. Pensa que eu esqueci dos trezentos mil reais?
-Ué, não gostou do dinheiro que lhe dei?
-As notas eram falsas!
A mulher engoliu em seco e perguntou:
-Pode pelo menos me dizer se a Samantha e o Oliver ainda moram aqui?
-Moram sim. Vou chamá-los, já que a senhora é uma estranha!
Dez minutos depois, Samantha liberou a entrada de Kátia. A mulher subiu para o apartamento e foi recebida com um abraço de Oliver:
-Mademoiselle, fiquei muito preocupado com você!
-Sei, sua preocupação foi tanta que nunca me fez uma visita na cadeia, seu falso!
-Perdão minha rainha, é que cadeia não é o meu forte. Lembro-me do dia em que fui preso por roubar a galinha da vizinha!
-Sério? Ladrão de galinha? E devolveu a galinha pra dona?
-Não entendi madame!
-Você roubava galinhas da vizinha não é isso?
-Não! A vizinha era uma galinha e eu a roubava maquiagem, vestido, sandálias, etc.
A mulher virou os olhos e perguntou:
-Me digam, onde estão meus pertences?
Samantha então entregou-lhe um baú pequeno e disse:
-Aqui está, foi o que sobrou. O resto foi tudo confiscado pela polícia.
Kátia se desesperou ao ver que dentro do baú só haviam bugigangas:
-Não acredito! Onde estão meus pertences, minhas joias, meus vestidos, carros...?
-Já falei, foi tudo confiscado pela polícia. Mais uma vez você ficou pobre, e mais uma vez eu rio da sua cara! - disse Samantha, friamente.
-Mademoiselle, não se preocupe, eu estarei sempre ao seu lado! - Disse Oliver.
-Eu preferia dinheiro do que você, Oliver!
Kátia ficou pensativa. À noite, Fonseca se produziu para ir visitar a amada: tomou banho, passou gel no cabelo, vestiu uma blusa de flor e uma calça jeans. Roubou flores do cemitério e foi ao encontro de Kátia.
Kátia procurou o sino mas não o encontrou. Ela perguntou à prima:
-Samantha, onde está meu sino!
-No lixo!
-Como se atreveu a jogar meu sino no lixo? Não tem medo de ser espancada em praça pública?
-Prima, sinto muito, mas a escrava que você tinha morreu.
Kátia olhou para a moça da cabeça aos pés e falou:
-Bem se vê, sua aparência não nega. Mas eu quero meu sino de volta!
Neste momento a campainha tocou e Oliver abriu a porta. Fonseca ajoelhou-se aos pés de Kátia e falou:
-Kaká, eu tava com muitas das saudades. Tu tá cada vez mais formosa!
-E você está cada vez mais burro.
-Eu truxe essas fror pra tu!
-Que flores murchas, onde você as encontrou, na lata de lixo? - perguntou ela, pisando nas flores.
Samantha serviu o jantar. Todos sentaram à mesa e Kátia assustou-se:
-Criada, o que é isso?
-Salsicha ao molho de tomate!
-Eita que tá bom por demais essa chauchicha! - disse Fonseca comendo às pressas.
Kátia virou os olhos. No condomínio de luxo ao lado, uma mulher muito parecida com Kátia, discutia com o marido bêbado:
-Vagabunda, onde você guardou meu whisky? - perguntou Diego.
Katherine caiu aos prantos e falou:
-Meu amorzinho, eu guardei a bebidinha porque você está muito bêbadozinho!
-Mas eu bebo porque eu gosto de beber, a boca é minha, o fígado é meu, o dinheiro é meu, é tudo meu!
-Eu sei, mas o nosso filhinho pode acordar assustadinho com tanto barulhinho que você está fazendo!
-Vai se ferrar, me dá aquele Whisky senão vou te dar uma coça daquelas!
Com medo de apanhar como de costume, ela foi buscar a bebida e entregou ao marido. O homem ficou satisfeito e sentou no sofá.
Fonseca sentou no sofá ao lado de Kátia e a cada instante tentava beijá-la:
-Essa tua boca é muito carnuda Kaká. Teus dente são muito branquelo, teus olho são da cor do mel e teu cheiro é bom por demais.
-Obrigada querido, é uma pena que sua boca é seca, seus dentes são cheios de cárie, seus olhos tem muita catarata e você fede mais do que gambá!
O homem então agarrou a mulher e ela, irritada, o empurrou e saiu do apartamento. Katherine, angustiada, saiu do apartamento e deixou o marido bebendo e abusando sozinho. Kátia desceu as escadas, e saiu do condomínio. Katherine entrou no elevador e saiu do condomínio. Kátia foi até a pracinha no outro lado da rua. Katherine chegou à pracinha e sentou num banco. Atrás da socialite, a ex-socialite sentou-se num banco e resmungou:
-Mas que atrevido, grosseiro, tentar me beijar? É o cúmulo.
Katherine também resmungou:
-Aquele chatinho, quando nos casamos ele era bonzinho, mas agora está insurportávelzinho!
As duas se olharam e ficaram perplexas com tamanha semelhança. Elas ficaram de pé uma na frente da outra, olharam-se da cabeça aos pés, com os olhos esbugalhados. Kátia disse:
-Ual, você tem a minha cara!
-Mentirinha sua. Você que tem a minha carinha! – Disse Katherine.
-Você percebe a semelhança entre a gente? Você parece a minha irmã gêmea.
-De fato, parecemos sim, muito, muito, muito. Somos iguaizinhas.
-Qual é o seu nome?
-Katherine Albuquerque Rios Fontini, e o seu?
-Kátia Lamartine.
Katherine suspirou e Kátia perguntou:
-Você parece triste, quer desabafar?
-Estou tristinha porque meu maridinho ultimamente tem bebido muito e enche meu saquinho. Ele me xinga, às vezes me bate e eu fico com tanto medinho, que acabo saindo do nosso apartamentinho.
-Nossa, você fala com uma melação, parece traumatizada. Se quiser eu te ajudo.
-Verdade? Me ajudaria a resolver os probleminhas com meu maridinho?
-Sim, mas por uma condição: terá que me dar uma boa quantia em dinheiro, pois acabei de sair da cadeia e não tenho um tostão furado.
-Você é uma criminosinha?
-Que nada, foi um mal-entendido!
-Tudo bem, mas como me ajudará?
-Trocaremos de lugar. Vou dar a você todas as dicas e explicar como deverá agir na minha casa.
As duas então trocaram de lugar. Quando Katherine chegou ao apartamento da sósia, deu de cara com Fonseca:
-Kaká, eu tava procupado. Tu saiu fugida daqui.
Katherine respondeu:
-Obrigadinha pelo carinho. Você um rapazinho muito simpático.
Samantha estranhou a forma como a mulher falou, e perguntou:
-Kátia, você está bem?
-Estou sim amiguinha, nunca estive tão ótima.
-Você está falando engraçado, está parecendo uma palhaça bêbada.
-É que eu decidi ser uma pessoinha melhor a partir de hoje!
-Estranho uma pessoa de natureza ruim como você mudar da água pro vinho.
-Mademoiselle onde você trocou de roupa? – Perguntou Oliver.
Katherine pensou numa desculpa e falou:
-Eu comprei numa lojinha pertinho daqui.
Samantha ficou embasbacada e foi à cozinha. Enquanto isso, Kátia entrou no apartamento e viu Diego, marido de Katherine. Ele perguntou, aos tombos de tão bêbado:
-Vagabunda, onde você estava?
-Vagabunda é aquela que lhe pariu, me respeite porque eu sou uma dama!
-Está valente, o que aconteceu que a fez ficar tão atrevida?
-Minha paciência foi atropelada pela sua ignorância. Me deixa em paz que eu vou dormir.
O homem calou-se, assustado. Kátia ficou deslumbrada com o quarto da sósia:
-Gente que maravilha, eu poderia matar aquela idiota e tomar o lugar dela e ficar com aquele gato do marido dela. Enquanto a criança, a mandaria para um internato.
Ela foi ao toalete, tomou banho na banheira, usou o sabonete da outra, o shampoo, pente, camisola, tudo da outra mulher e falou:
-Estou adorando essa troca!
Katherine ficou encantada com Fonseca. Ela riu muito de suas piadas sem graça e aceitou sair com ele. Os dois foram a um barzinho popular do bairro, chamado “Bar Arroto de Boi”. Ele puxou a cadeira e ela sentou. Ela perguntou:
-Você é sempre gentil assim ou é só hoje?
-Eu sou deche jeito com todos mundo. Mas cuma tu é a minha rainha, eu sou bem mais melhor.
-Que lindo, aposto que muitas mulheres são loucas pra sair com você!
-Mas eu só tem olhos pra tu, mas tu nem gosta de mim!
-Gosto sim meu queridinho, você é muito divertidinho.
-Mas tu mim chamava de palavriado, dizia que eu era chato, jumento, asno, burro, cavalo, equino, bovino, suíno...
A mulher começou a rir e falou:
-Onde eu estava com a cabecinha que não vi o grande homenzinho que é você!
Quando todos dormiam, Kátia levantou da cama e foi à cozinha. Pegou 1 pão sírio light, 1 colher de sopa de requeijão light, 3 colheres de sopa de ricota defumada temperada com alho, cebola, sal, pimenta do reino e um fiozinho de azeite, sobras de abobrinha e fez um saboroso Beirute light de ricota e abobrinha:
-Hum, vou tirar a barriga da miséria.
No dia seguinte, Katherine acordou e foi tomar café com Samantha e Oliver:
-Bom dia mademoiselle!
-Bom dia queridinho e queridinha!
Samantha estranhou a educação da mulher. Katherine se serviu e falou:
-Que cafézinho da manhã deliciosinho. Esse cuscuzinho está maravilhosinho.
Oliver também estranhou o comportamento da mulher e perguntou:
-Madame, você andou fumando ou cheirando o que não devia?
-Não amiguinho, estou normalzinha!
Enquanto isso, Kátia levantou atordoada, pois esqueceu de seguir uma das instruções de sua sósia, que era acordar o filho para ir à escola. Ela entrou no quarto do menino, o encontrou dormindo, pegou um balde d'água e jogou na criança dizendo:
-Acorda moleque, já está banhado, vista-se e vá pra escola.
A pobre criança de dez anos acordou assustado. Ela acordou Diego e falou:
-Acorda infeliz, leva teu filho pra escola.
-Kathe, está louca? Você não costuma ser tão barulhenta!
-Verdade, eu era uma mosca-morta, agora sou uma mosca-varejeira e se não tiver cuidado, vai se arrepender.
O homem, irritado, levantou-se às pressas. Paulinho, assim chamado a criança, perguntou:
-Mamãe, cadê meu café da manhã?
Kátia virou os olhos, foi a geladeira, pegou o leite, pegou uma caixa amarela que parecia cereal chamou o menino. Este ao ver a caixa falou:
-Mamãe, você vai me dar a ração do cachorro pra eu comer?
Kátia leu o rótulo da caixa e viu que era ração, pegou uma, comeu e falou:
-É gostosa!
Diego levou o filho para a escola. Mais tarde, no apartamento, Katherine ensinou Samantha a fazer vários pratos deliciosos. As duas se divertiram o dia inteiro, e Kátia suou cuidando do filho da sósia. À noite, Fonseca levou Katherine ao mesmo bar do dia anterior. Diego e Kátia foram para o mesmo local, mas ficaram em mesas distantes do outro casal:
-Hum, que restaurante xexelento, não tinha um pior pra me levar não? -Perguntou Kátia.
-Mas você sempre adorou vir pra cá.
-Talvez em um momento de depressão eu gostasse, mas lúcida, nem morta eu gostaria de vir pra um lugar como esse. Eu gosto de lugares chiques, não de lugares no centro do pauperismo.
-Katherine, você está muito diferente. Vou pedir um vinho pra gente.
-Não peça vinho, você vai acabar exagerando e bêbado você é um pé-no-saco!
-Eu vou beber sim, quero ver quem vai me impedir!
O homem levantou e foi ao balcão. Quando estava saindo, viu Katherine e esta ao vê-lo, tentou sair sem ele perceber, sem sucesso:
-Kathe, por que trocou de roupa?
A mulher, atônita, respondeu:
-Benzinho, o que faz aqui?
-Ué, viemos juntos, esqueceu?
A mulher "gelou" e respondeu:
-Estou brincando amorzinho!
-Amorzinho? Você passa dois dias me esculachando e agora sou seu amorzinho?
-Você sempre foi meu amorzinho, é que as vezes eu fico um pouco zangadinha!
-Zangadinha? Ultimamente o satanás ao seu lado fica parecendo uma criança!
Katherine não conseguiu fugir do marido. Kátia procurou Diego, quando o viu com a sósia decidiu fugir do local, mas Fonseca a viu e a puxou para a mesa:
-Kaká, trocou de roupa? Tava com soudades de tu meu docinho de mamão com calda de mel de abelha!
-Brutamontes, o que está fazendo aqui?
-Ué, esqueceu que nós viemo junto?
Kátia virou os olhos e disse:
-Pois agora eu quero sair dessa espelunca, está me dando náuseas esse cheiro de comida de pobre e do seu perfume barato.
Kátia e Fonseca foram para o apartamento. Katherine fugiu do marido e seguiu para o apartamento de Kátia, e Diogo a seguiu. Kátia e Fonseca entraram no apartamento e na sala estavam Oliver e Samantha:
-Alguém chame o Ibama pra vir tirar esse animal do meu apê! - Disse Kátia indo para a cozinha.
-Onde que tá o animal Kaká que eu pego!
A mulher voltou e apontando para o homem, disse:
-O animal é você, imbecil!
Fonseca sentou no sofá, chateado por causa da suposta "mudança" inesperada da amada. Neste momento alguém bateu na porta e Samantha foi abrir, quando ficou pasma:
-Kátia, você não estava na cozinha? – Perguntou Samantha à Kathe.
Katherine não entende e, neste momento Diego invadiu o apartamento:
-Te peguei no flagra sua vagabunda. Quem é essa magricela e esse viado?
-Êpa, respeito é bom e eu gosto. - Disse Oliver.
Kátia surgiu na sala e todos ficaram sem entender, olhando para as duas e notando a grande semelhança:
-Que balbúrdia é essa na minha sala? - Perguntou Kátia, com a mão na cintura.
-Duas mademoiselles? - Perguntou Oliver.
-Não, eu sou a única mademoiselle. Essa outra aí é uma cópia minha muito mal feita.
Fonseca disse:
-Duas Kakás? Muito grato meu Deus! – Disse o homem levantando as mãos.
Samantha falou:
-Kátia, explique isso!
A ex-madame explicou:
-Eu conheci a Katherine na praça, em frente ao condomínio. Ela estava cansada desse bêbado inútil e eu desse jumento aqui. Daí dei a ideia de trocarmos de lugar, para solucionarmos o problema uma da outra, claro, em troca de uma boa quantia em dinheiro.
Diego, boquiaberto, disse:
-Vadias. Katherine, vamos imediatamente pra casa!
A pobre mulher falou, aos prantos:
-Odeio você, maridinho brutinho!
Após o casal sair, Fonseca perguntou à ex-madame:
-Kaká, então eu fiquei com a outra, não contigo?
-Isso mesmo, eu jamais daria cabimento a um asno, e você nem sequer percebeu a diferença.
Ao chegar em casa, Katherine sentiu percebeu que havia sumido vasos de sua sala, tapetes, comida da geladeira, joias, e o cofre que ficava no closet estava aberto. Em seu apartamento, Kátia olhou para o que roubou e lembrou de como conseguiu:
“Ela aproveitou que Diego estava alcoolizado e pediu pra que ele dissesse a senha do cofre:
-Acorda, energúmeno! – Disse a mulher.
O homem abriu um pouco os olhos e perguntou:
-O que é que tu quer sua biscate?
-Me fala a senha do cofre!
-E tu num sabe?
-Eu esqueci, seu idiota. Fala logo, preciso comprar um whisky pra gente.
-Ah, agora sim tu tá falando a minha língua. A senha é 987654321.
"Ela pegou todo o dinheiro que estava no cofre. Depois chamou um táxi e levou todo o resto que já foi citado." Ela comentou a si mesma, sorrindo:
-Panacas!

(...)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Iai o que achou? Dê sua opinião!! :)